domingo, 29 de agosto de 2010

Amigos para sempre laralaralá

Aaaaah.. a amizade! Aquele negocio de juntar os centavos pra pagar a gasolina, comprar uma cerveja quando o amigo tá mal, emprestar roupas e conselhos, rir-se juntos das merdas que acontecem!

Quando eu era mais nova achava que ter MIL amigos era A melhor coisa do mundo. Todos eles iriam ser meus padrinhos/madrinhas de casamento e dos meus filhos. Moraríamos todos em um condominio fechado onde o calor não existiria e os cachorros brincariam com nossos filhos altamente arrumados no quintal.

(Planejando o futuro)



Me orgulhava de não ter desamigos ou ex-amigos ou algo do tipo que nem sei se existe.
Mas... eu CRESCI.

Não tenho mais mil amigos, não penso mais em me casar e vai demorar taaaaaanto pra ter filhos! Manaus tá um forno gigante, não tenho tempo pra cuidar de cachorros e as roupas da Lilica Repilica estão cada vez mais caras.

Mudei de planos, mudei de vida, mudei mudei mudei MUDEI!

Entrei na faculdade e conheci pessoas amáveis, inteligentes, adoráveis, respeitadas ao passo que também conheci gente volúvel, chata, enjoada e infantil. Criei fortes amizades e outras mais finas que nem cabelo de europeu.
Comecei a trabalhar e encontrar pessoas que eu admirava no bebedouro no fim do corredor. Gente rica, pobre, magra, gorda, gente que vai no Mc Donalds no fim do expediente pra desabafar. Fiquei com e como eles

Ontem duas pessoas me raptaram. Chegaram invadindo os quartos, roubando meu sono, minha mãe e minha Coca Cola. Me fizeram vestir qualquer coisa, me jogaram dentro de um carro preto e novo que não consegui advinhar o nome.

Eu tava no shopping e não parava de falar, mesmo sabendo que provavelmente ia ficar sem voz hoje. Não tinha jeito, elas estavam lá antes da minha mudança e das pessoas voluveis e interessantes. Da época que pensava em casar descalça ao som de Aerosmith. Coisas de sangue, de familia, de irmã.
Coisas de comercial de cerveja.

2 comentários:

Caio disse...

minha namorada deveria escrever um livro!
vai ser melhor que o Chico Buardo!

Juliana disse...

Livro? Acho válido!

Alterego, meu bem...

Esse tom memorialista/humorado/dane-se-o-mundo de teu universo dá o substrato perfeito pra uma boa literatura.

Permaneça mudando.
Beijos.