sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Escolhas

Um dia desses eu estava refletindo cá com os meus botões, que crescer caga tudo.



(Oi?)



Antes que alguém aponte o dedo e diga: QQqqQqqQqQqQqQQQ?

Eu explico.


Ganhei meu primeiro Diário aos 4 anos, assim que meus pais se separaram. Uma boa ideia da minha mãe, que mesmo sabendo que eu não sabia ler/escrever me deu um caderno perfumado com cadeados totalmente arrombáveis.

Não sabia escrever, mas sabia falar. Falava pra minha mãe ou pra babá/secretária (que anos depois descobri que também não sabia escrever) e elas escreviam no papel.

Veio a alfa (BEIJO TIA KÁTIA), o anel do ABC, as regras gramaticais e os adesivos das Chiquititas pra enfeitar as páginas. Eu escrevia ABSOLUTAMENTE TUDO. Desde que a fulana não quis brincar no parquinho hoje ao meu pai ter quase caido da cadeira da loja dele... eu achava tudo extremamente interessante ao ponto de por no meu Diário.

Foi um.
Foi outro.

Acho que eu devo ter uns 5 ou 6 completos e escondidos pelas gavetas e caixas.

Passei anos da minha vida dando a seguinte resposta àquela famosa perguntinha:

- Minha filha o que você vai ser quando crescer?
- Escritora.
Eu não queria ser advogada, médica, dentista, atriz, bailarina, policial, bombeira, a Tati (das Chiquititas), lixeira.. NADA ALÉM DE ESCRITORA.
Minhas coleguinhas falavam: Creeeeeedo Mari, como tu vai comprar jóias e ter um marido loiro dos olhos azuis sendo escritora? Por isso que eu vou ser advogada que nem a mamãe!


Mas nada me fazia mudar de ideia... Afinal, escrever era a única coisa que eu sabia fazer. Era o meu ganha pão! Com as minhas redações (o preço mudava se você era ou não meu amigo e se estava ou não recuperação) eu sustentei vários cinemas/lanches/aulas de violão.

Fiz 17. Fiz vestibular. Fiz pra Letras. Fiz avanço. Fiz meu primeiro dia de Teoria da Literatura. Caguei a minha vida.
Se você mano brow, quer ser escritor, não faça Letras, não leia Barthes, não descubra Bakhtin, não estude gramática normativa, não queira entender Linguistica apenas CONTINUE A VENDER SUAS REDAÇÕES!

Descobrir que para ser Foucault você precisa nascer Machado cagou a minhas expectativas de ser uma Cora Coralina. Você passa a ler tudo diferente, reclamar das rimas, do rítmo, das palavras... de tudo.

E aquela minha vontade de escrever a última página da Capricho, foi-se. Não terminei os meus livros, não comecei outros. Acabou minha carreira antes de começar... Aiai.

02/01/97
Diário hoje eu fui a casa da minha amiga Regina tomar banho de piscina. Só que eu fiz uma coisa muito feia, porque a minha mãe não tinha deixado eu ir. Ihhh.. ela tá chegando pra me dá uma surra, beijos Mari.
Obs: Droga tô de castigo!



11/06/98
Diário ontem teve a Copa do Mundo. O Brasil ganhou de 2 a 1 da Escócia. Cada vez que o Brasil fazia um gol eu beijava minha camisa, meu pai ria e eu não entendi o porquê (acho que ele tá lesado). Beijos Mari.

2 comentários:

Juliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana disse...

1.
"Manaus, UEA, novembro de 2007.
Profa. Lúcia Inês Freire: - Qual motivo lhe trouxe pra Letras? ¬¬

Mariana Lima: - Ah, eu quero ser escritora. xD

2.
Manaus, UFAM, agosto de 2010.
Mariana Lima, voz pesada: - Ju, vou trancar a UEA. --"

Juliana Sá, finalista de Letras solitária: - Bakhtin é mal, muito mal. :/

3.
FIM.